Bitch!

Aos 3 meses de idade, reparamos que Luna sentia uma dor: não caxingava, mas sempre reclamava quando agarrávamos sua pata traseira direita, que era menos forte que a esquerda. Tinha coisa errada ali. Levei ela à clínica, onde foi examinada e diagnosticada com uma inflamação, possivelmente decorrente de uma queda. Mandaram dar um remédio e disseram para voltar em uma semana. Passados uns dias, de fato ela parecia melhor: ganhou massa muscular, já não gania, parecia estar tudo bem. Mas eu continuava cabreiro, então pedi que lhe tomassem uma radiografia. Para a surpresa de todos – e nosso desespero -, Luna tinha uma fratura na cabeça do fêmur. Segundo a veterinária, a calcificação ali era muito pouco provável porque essa região é porosa, e também por isso não aguentaria um pino. A solução seria cortar o osso e esperar que se formasse um tecido esponjoso. A cirurgia era relativamente delicada, e a convalescência, sim, um pesadelo: a cachorra, espoleta toda, teria que ficar em repouso sem se mover muito por duas semanas. Para se ter uma ideia da improbabilidade disso acontecer: saio com a Luna todo dia, de manhã e à noite, e ela NUNCA se cansa. É uma energia sem fim: corre mas que bala, pula feito coelho, interage com todo humano, canino, arbóreo ou mineral que encontra no caminho. Mantê-la quieta por 14 dias seria impossível sem sedação, e o risco de machucar a pata e comprometer a recuperação era grande. De qualquer forma, teríamos que esperar alguns meses mais porque Luna era muito pequena ainda para a anestesia.

Dois meses e meio depois, com a pequena já prestes a virar mocinha, chegou a hora de esterilizá-la. Decidimos aproveitar o embalo – e a anestesia e o período de molho – para fazer logo tudo de uma vez: tirar os ovários, o útero e ajeitar também a patinha. Nos exames prévios, nova radiografia e nova surpresa: o osso calcificou sozinho, perfeito, de um jeito que a veterinária disse nunca ter visto e jamais esperaria! Minha filha é praticamente o Wolverine quadrúpede! Não precisa mais operar o fêmur, eba, eba!

Daí que hoje foi só a ovariohisterectomia mesmo. Pela primeira noite nos últimos 4 meses ela dorme fora de casa, tadinha. A essa hora deve estar lá, chorando no meio de muitos outros cachorros, sofrendo dores horríveis, com um cone aterrorizante na cabeça, sentindo-se abandonada e sozinha no mundo. Meu coração em frangalhos, não sei se consigo dormir…

Se bem que a bicha é mutante, se autorregenera. Se duvidar, já deve ter escapado da clínica, recauchutado os miúdos, entrado no cio imediatamente e agora está tocando o terror com toda a cachorrada na rua.

Ou seja: a gente aqui, morto de preocupado com a saúde dela, a conta bancária arrombada (à toa) para que tivesse o melhor tratamento possível, e a safada por aí saciando sua luxúria.

Bitch.

Anúncios

Diga lá!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s